História de Carlos Barbosa

Carlos Barbosa é terra de várias etnias, de indígenas a imigrantes europeus, muitos são os povos que compuseram o município que hoje é reconhecido especialmente pelo seu desenvolvimento industrial, o futsal e as belas paisagens.

Origens

Duas nações indígenas ocuparam o território barbosense: os tupi-guaranis e os jês. A chegada dos povos indígenas deu-se provavelmente através de uma trilha de passagem do litoral para a região do planalto, guiados pelo divisor de águas existente no município.
 
Imigração

Os primeiros imigrantes a estabelecerem-se no município foram os luso-brasileiros. Os engenheiros, agrimensores, serviçais e pequenos agricultores portugueses vieram de Porto Alegre, Montenegro e São Sebastião do Caí com o objetivo de administrar as novas colônias. A colonização seguiu com a vinda de outros imigrantes europeus que estabeleceram-se nas localidades de Forromeco, Santa Luiza e Santa Clara. Como primeiras ações, nas comunidades eram construídas capelas, onde os imigrantes alimentavam sua religiosidade.
 
O maior número de imigrantes na região foi de italianos, que impulsionaram o desenvolvimento da Serra a partir de 1870. Fixando-se em todas as localidades do município foram grandes expansores de sua cultura através do ensinamento das tradições, cultura, usos e costumes que até hoje são bastante presentes nos hábitos dos barbosenses.
 
A maioria dos italianos que aqui se fixaram são provenientes das províncias do Vêneto e da Lombardia. Outras etnias cujos imigrantes estabeleceram-se no município, em menor número, foram alemães, franceses, poloneses, suíços-valesanos, portugueses e espanhóis.
 
Nomes

Antes de homenagear o ex-governador Carlos Barbosa Gonçalves, o município recebeu outras denominações. Inicialmente a localidade era conhecida como Linha Estrada Geral ou Primeira Secção do Caminho Geral. Lembrando o número do lote onde foi inicialmente desenvolvido o primeiro núcleo social com Igreja, escola e cemitério, a comunidade foi denominada durante um período, por volta de 1883, de Trinta e Cinco.
 
Posteriormente, em 1909, a localidade passou a chamar-se Santa Luiza, homenagem de um engenheiro que construía a via férrea para a professora belga Luiza Debauprés, então sua noiva.
 
Carlos Barbosa

A homenagem ao ex-governador da província do RS passou a denominar o município no dia 25 de janeiro de 1910, quando o intendente de Garibaldi, Júlio Azambuja, deu-lhe a denominação oficial e definitiva. Carlos Barbosa Gonçalves governou o RS entre os anos de 1908 e 1913 e teve como uma de suas principais obras a construção da ferrovia Montenegro - Caxias do Sul.
 
Data corrigida em 03/05/2011
 
Distrito

As terras barbosenses inicialmente estiveram sob a jurisdição do município de Montenegro (1873). Eram as ex-colônias Conde D'Eu e Santa Maria da Soledade. Em 1870, Conde D'Eu (Garibaldi) e Princesa Isabel (Bento Gonçalves) formaram o município de Bento Gonçalves, sendo que as terras de Boa Vista, Azevedo Castro, Vitória e Estrada Geral (sede de Carlos Barbosa) a ele pertenceram. As demais áreas do município, Linhas Doze e Dezenove, Arcoverde, Santa Luiza, Forromeco e adjacentes, continuaram a pertencer a Montenegro.
 
Em 1900 aconteceu a emancipação de Garibaldi e as terras barbosenses pertencentes a Bento Gonçalves passaram a fazer parte do novo município. A partir de 1925, nas comemorações do cinquentenário da Imigração e Colonização Italiana, Carlos Barbosa figurou como segundo distrito de Garibaldi.